top of page

Operação da PF mira Bolsonaro por falsificação de cartões de vacinação

Fonte: G1


6 pessoas foram presas, incluindo Mauro Cid, que era um 'faz-tudo' do ex-presidente no governo. Celular de Bolsonaro foi apreendido.


A PF investiga uma fraude envolvendo os cartões de vacinação de Bolsonaro, da filha Laura e do ex-assessor Mauro Cid. A suspeita envolve a vacina contra a Covid.


Uma operação nesta quarta (3) apreendeu o celular de Bolsonaro e prendeu 6 pessoas, entre elas Cid, um 'faz-tudo' do ex-presidente. 16 são investigados, incluindo Bolsonaro.


As medidas foram autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes. Segundo a investigação, a fraude foi feita em dezembro, dias antes de Bolsonaro viajar com a família aos EUA.


O suposto esquema envolveria a prefeitura de Duque de Caxias, no RJ. Os registros apontados como falsos indicam que Bolsonaro e a filha teriam sido vacinados lá.


Com os dados falsos da vacinação, certificados fraudulentos foram emitidos em nome do ex-presidente e de Laura. Bolsonaro nega ter adulterado os dados e afirma que nunca tomou a vacina.


'Não vou tomar vacina mesmo', disse Mauro Cid em 2021, mostram mensagens obtidas pela PF. Leia mais.


A investigação da PF mostra que os certificados de vacinação contra a Covid de Bolsonaro e da filha Laura, de 12 anos, foram emitidos pelo aplicativo ConecteSUS no dia 27 de dezembro de 2022, com um intervalo de 10 minutos de diferença. A suspeita é que sejam falsos. Os registros informavam que Bolsonaro e Laura tomaram duas doses cada em Duque de Caxias, no RJ, mas não há indícios de que eles tenham sido mesmo vacinados lá. Após a inserção desses registros no sistema do SUS, certificados foram emitidos para ambos. O documento de Laura foi emitido em inglês. Dias depois, a família Bolsonaro viajou para os EUA, de onde só retornou no mês de março.


A PF afirma que certificados de vacinação contra a Covid foram emitidos em nome de Bolsonaro no aplicativo ConecteSUS após a inserção de dados supostamente falsos no sistema. Segundo a investigações, isso ocorreu em dezembro, dias antes de o então presidente viajar aos EUA com a família e assessores próximos.



Essa notícia tem a finalidade de difundir informação. Não tem por objetivo facilitar ou coordenar atividades que possam causar danos a outras pessoas. O link dos dados da matéria na íntegra podem ser consultados conforme sua produção e de seus autores, com acesso livre nos endereços informados na notícia.

3 visualizações

Comentários


bottom of page